Principais notícias do dia 06 de Agosto de 2015 - Jornais

ECONOMIA / MERCADO DE TRABALHO


Ambev é condenada por terceirização irregular – Folha de S.Paulo
A Justiça do Trabalho proibiu a Ambev, fabricante de bebidas, de terceirizar atividades consideradas essenciais em sua produção e condenou a empresa a pagar R$ 1 milhão de indenização. A decisão judicial foi motivada por uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho da região, após fiscais do Trabalho de Bauru autuarem a empresa ao verificar que terceirizados trabalhavam na fábrica da Ambev em Agudos (interior de São Paulo), em atividades consideradas essenciais. Entre essas atividades, estão manuseio, seleção, movimentação, empacotamento e movimentação interna de cargas, insumos, vasilhames, bebidas e similares. Segundo o procurador do Trabalho Rogério Rodrigues de Freitas, houve descumprimento da legislação que regulamenta a terceirização.

Trabalho terá mais risco, mas será mais livre – Folha de S.Paulo
A era de um emprego para a vida toda, e a segurança econômica que ele propiciava, está em crise. Continuam a existir milhões desses trabalhadores, entre os quais muitas mulheres, mas o novo mundo do trabalho é tanto mais empolgante quanto menos seguro. Existe maior variedade de pagamento e condições. É mais provável que o trabalho seja de tempo parcial, temporário, free-lancer, ou autônomo. E pode bem nem ser um emprego de maneira alguma, pelo menos na forma pela qual um emprego costumava ser definido.

Autopeças é a 1ª do ABC a aderir a plano contra desemprego – Folha de S.Paulo
A empresa Rassini, fabricante de molas de suspensão para veículos, é a primeira do ABC, região berço do PT e base eleitoral histórica do partido, a aderir ao PPE (Programa de Proteção ao Emprego). Havia expectativa de que duas montadoras da região, a Mercedes-Benz e a Volks, fossem as primeiras a aderir à medida, mas foi no setor de autopeças que o acordo foi concretizado de fato. A redução na Rassini vai durar quatro meses, pode ser prorrogada e a empresa fica proibida de fazer demissões, sem justa causa, dos empregados com jornada reduzida. Considerando o salário médio de cerca de R$ 4.000, segundo informou o sindicato local, a diminuição mensal na renda será de R$ 300.

Desemprego só recua no fim de 2017, prevê pesquisador – Valor Econômico
Com a intensificação de corte de vagas nos setores de comércio e serviços, a taxa de desemprego só deve voltar a recuar no fim de 2017. O alerta é de Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador do Ibre-FGV. "O desemprego, de maneira geral, vai continuar a subir e só estabilizar, e talvez diminuir, no fim de 2017 e início de 2018", apontou. Ele fez a afirmação ao comentar o Indicador Coincidente de Desemprego, anunciado ontem pela FGV, e que subiu 1,2% entre junho e julho, para 90,8 pontos, o maior nível desde novembro de 2007. Para o pesquisador, os fatores que conduziram ao atual cenário, com empresas de comércio e de serviços mais propensas ao corte de vagas, são de difícil resolução, no curto e médio prazos. Segundo ele, esses setores são afetados pela demanda menor, causada principalmente pela redução de renda do trabalhador.

“Ajuste em meio à recessão é contraproducente" – Valor Econômico
Em novembro de 2014, o professor associado do Instituto de Economia da Unicamp, Pedro Paulo Zahluth Bastos, liderou um manifesto de economistas heterodoxos em apoio à presidente reeleita, Dilma Rousseff. Em fevereiro, decepcionado, o economista veio a público para criticar a reviravolta de Dilma rumo à ortodoxia, comandada pelo ministro Joaquim Levy. À época, Bastos defendia que o governo comunicasse o abandono da meta de superávit primário de 1,2%, que teria sido baseada em projeções exageradamente otimistas de crescimento e arrecadação.

Com receita menor, sindicatos cortam gastos e demitem – Valor Econômico
O Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo demitiu neste ano 80 dos 370 funcionários, vendeu 46 dos 96 carros que possuía e tenta como pode cortar gastos de energia e telefone. O "ajuste" no orçamento, segundo Antônio de Souza Ramalho, presidente da entidade, é reflexo da queda contabilizada em diversas fontes de receita do SintraconSP, entre elas o imposto sindical.

Fim de “layoff” na GM – Valor Econômico
A GM vai reintegrar, na segunda-feira, 750 operários que estavam afastados da fábrica de São José dos Campos em virtude da suspensão temporária dos contratos de trabalho. Segundo o sindicato dos metalúrgicos da região, os trabalhadores começaram a receber ontem telegramas da montadora comunicando o retorno.

Banco Central sinaliza fim do ciclo de alta do juro, mas diz que se manterá 'vigilante' – O Estado de S.Paulo
Apesar da alta dos juros, as projeções de inflação do Banco Central continuam em alta para 2015. O BC informou que sua projeção para a inflação de 2015 subiu no cenário de referência e segue acima do centro da meta de 4,5%. No caso do cenário de mercado, a projeção da autoridade monetária para este ano aumentou e também segue acima do centro da meta. As informações foram divulgadas por meio da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada, que elevou a taxa básica de juros em meio ponto porcentual de 13,75% para 14,25% ao ano.  O BC reafirmou que a convergência da inflação para 4,5% no final de 2016 tem se fortalecido. O BC acredita que a política monetária está na "direção correta".